terça-feira, 16 de junho de 2015

Inquebrantável força





Saudade de um tempo em que o amor era tudo
Uma inquebrantável força por qual lutar sem pensar.
Saudade de um tempo, de um mundo nada escuro
Que compreendia a imperfeição, e se satisfazia com ela.
Que amava os defeitos em questão, e que cedia.
Que lutava bravamente, sem cessar qualquer segundo.

Saudade de um tempo, em que não havia conflitos
Em que a liberdade se transformava em gritos
Que as bocas falavam com precisão.
Que a janela da alma era vista claramente
E ninguém respondia se a certeza não era evidente.
O coração era fonte de sabedoria, com a razão
A futilidade era trancada em quarto escuro
Usada por poucos, que não sabiam nem a sensação.

Ah, saudade de mentes simples e inteligentes
De gente que sabia ser apenas gente
Que amavam o vulnerável, o humilde e o interno
Que explanavam horizontes naturezais, contentes.
O tempo muda tanto as suas paisagens
Por dentro agora há um lodo sangrento
Que sofre, chora, morre e volta a viver
Para aprender e aprender sobre o sofrimento.

Pois amar, ah, o amar é para poucos
Todos tentam, mas poucos conseguem apreender
O verdadeiro significado de saber amar
É como viver sem egoísmo, orgulho e vaidade
visto que esses elementos é que cegam os olhos de ver.
É aquele amar que vem de dentro, forte e inquebrantável.
Que nunca cessa antes de saber o que está acontecendo
E nenhum relento, por mais longo que seja, dura.
Porque não há mal que dure, não quando o amor está crescendo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário