domingo, 25 de janeiro de 2015

Isso também passa





Passam os choros que pareciam infindáveis nas madrugadas de assoalhos no chão
Demonstrada pelo vazio das eternidades vagas, que caberiam em qualquer lugar.
Passa a enxurrada de sofrimentos ao vento quando a fé é mais contagiante.
Passa o amor, que não era amor, e nem se tornou amor de verdade.
Passam todos os riscos abandonados ao extravio do momento miserável de doação.
No que diz respeito às tempestades internas que se guardam e se acumulam.
Passam as barreiras mais infelizes de um julgamento sem o sim
Por vezes, os nãos se cansam de serem tão insistentes, e logo caem de raiva.
Passa a vontade de fazer qualquer coisa quando se tem taquicardia
E quando a vida oferece mais de mil sorrisos, passa a taquicardia.
Passa a solidão quando você se dá conta de que nunca está sozinho
E que há vários amigos e inimigos invisíveis loucos por você.
Que lhe fazem companhia as 24h horas quando você está acordado e dormindo.
Passam os dias cinzentos quando somente seus olhos é que veem o cinza
Passam as tolices grudadas em sua mente quando não se tem assunto para continuar.
Passa até aquela dor de cotovelo mal resolvida e mal questionada.
Quando se nota, foi só um momento de extrema carência.
Em que o ego é um sanguessuga que não economiza modos infernais de persuasão.
Passa a dor quando a vontade é maior no que se refere à felicidade.
Tudo passa, nada fica, nada cresce ou diminui, tudo se você quiser.

Nenhum comentário:

Postar um comentário