terça-feira, 23 de dezembro de 2014

Fragmento de um pouco de tudo


 


Sinto o tempo ser nosso
E ao mesmo tempo não nos pertence
Sinto que teu beijo não padece
Que tuas tristezas não se enfraquecem
Que debaixo da tua chuva há o sol
Em tua jornada evolutiva.
Tu és o tipo de pessoa que admiro
Que me faz crescer a cada vez
Que meus ouvidos te ouvem.
Tua voz sempre exalta palavras doces
Das quais eu me sinto alicerçada.
E meu sorriso ganha vida
Quando tu consegues retribuir
Com humildade aquilo que te dei.
Não é qualquer pessoa que confio assim
Que consegue me tirar doses de conversas
Em tempos de hipocrisia e oportunismo.
Que consegue me manter interessada.
Sei que tenho fama de cruel,
Mas não é isso de verdade que eu acho que sou
Sou apenas realista, pé no chão, e falo o que penso.
E muitas pessoas que adoram julgar, me julgam...
Eu ofereço silêncio, pois se for responder elas enlouquecem
Com a minha maneira de ver a vida e insistir que somos imperfeitos.
Por eu também não me apegar ao que outros se apegam:
Aparência, dinheiro, hipocrisia, mentira, status e afins.
E são demasiadas carentes, querendo atenção sempre.
E hoje me perguntaram se ganhei presente de natal
E eu respondi que presente é estar bem
Ver as pessoas que eu amo bem e com o coração alegre.
Mas a pessoa insistiu: "E os bens materiais?"
Então eu disse: "Sou feliz sem eles!"
Por que razão tendem a ser assim, insistentes na matéria?
Então, tu me vens à cabeça...
És bem daqueles que gosta de mim do jeito que sou.
Feliz daquele que consegue amar a alma, e não o corpo.
Incrível é a descoberta interior, 
É um verdadeiro êxtase; uma imensidão de prazer descomunal
E a realização de independência sentimental
Nada é mais gratificante do que uma alma se purificando.
Sem resíduos adicionais de organismos estranhos.

Só desejo amar e mais nada, não importa o quê ou quem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário