sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Aquela vontade que não passa?


Nada é estranho quando queremos
O melhor da vida é o que vem de repente
Quando nos enche de possibilidades
Ela é uma só, mas em várias etapas.
É possível nos lembrar 
Sem ao menos ter visível em nossas memórias.
A confusão é só um ato para adiantar o esperado
E nos faz acreditar ser outra coisa
Mas não, é aquilo que o coração diz
O que alma pensa
E os sentidos não se distraem
Trazendo aquela imensidão prazerosa a nos consumir.
Não somos todos diferentes?
É o que nos faz sermos iguais.
Cada um com sua intensidade de sentir
De ver o mundo, e ouvir o que lhe é mostrado.
São perguntas, questionamentos duvidosos.
De si mesmo quanto ao sentir que nunca sentiu.
Meus olhos traduziram a verdade do teu sentir
Juntamente com meu conhecimento do que significa isso.
Verdades nua e crua. E nada mais.
Essas vontades são como ouros espirituais
Só aparecem quando há merecimento.
Sei do que vejo com a alma
E sinto também. Isso dá uma boa soma.
Sei que isso já estava acontecendo
Antes mesmo de sabermos quando ia acontecer
Sempre soube que algo assim ia acontecer
E não tínhamos consciência disso.
E agora, é como um pisca-pisca em alerta.
Não posso mais deixar de notar
Essa vontade enfurecida que volta e meia aparece
É como um despertador, ajustado para alarmar.
Não, não seria impossível, pois é para ser.
Creio que não foi só um momento
Que essa vontade veio
Teve outras vezes.
Só que o coração foi tapado
Sem querer ser escutado
E só agora, com tanta força
Essa vontade veio se apresentar.
Nada surge do nada
Tudo já está em crescimento.
É como uma doença
Que só se manifesta quando está espalhada
Sem ter tido alguém para vê-la crescer.
Oculta. Até aos olhos de quem estava sentindo.
Plantou-se a semente muito tempo atrás.
Ela germinou forte, intensa, sem saber que chuva a molhara.
Depois se mostra de um resultado combinado e desconhecido.
E em mim, também mora essa vontade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário