sexta-feira, 29 de agosto de 2014

É bem verdade




É bem verdade que naveguei por linhas tortas
Que me deixei escapar de mim por alguns instantes
E esqueci por qual caminho voltar, a estrada era vasta.
E que eu também caminhei por mares desconhecidos
Que tomei sucos artificiais pensando ser orgânicos.
Acreditei em quem não tinha valor algum pra mim.
É bem verdade que me apaixono intensamente
Que sei amar por não ter medo da resposta negativa, mas não sei o que é o amor.
E que as dores de um sorriso tímido, embora temporário
São meras distancias do que a realidade teima em mostrar
E que nos faz vasculhar lá no fundo e buscar esse sentimento triste.
O que significa a vida que eu sinto com meus sentidos limitados.
É bem verdade que eu sou justiceira e não perdoo fácil
Porque acho que todos tem que experimentar a suas próprias maldades
Assim como eu experimento as minhas de vez quando
Para soborear de camarote o que eu faço de mal aos outros.
Um sabor ardente, amargo, por vezes, mas que é preciso.
É bem verdade eu que eu tenho medo, muito medo de uma coisa
Mas ainda acho que posso vencer esse medo que me doma
Quando entro numa zona da qual sinto que não devo ir
Mas que para meu bem eu devo ir, mesmo não querendo.
Vou ter que passar por isso querendo ou não, não tenho escolha
Mas posso escolher como vai ser minhas ações diante dessa manifestação medrosa.
Quem sabe um dia esse medo vai se esvair
É bem verdade que to sem saco para idiotices, infantilidade e intolência.
Às vezes, nem eu me aguento em metáforas silenciosas
Quando penso que falo com o silêncio, é ele que fala comigo.
É bem verdade que eu odeio bajulação
Tenho alergia à hipocrisia, chego a me repelir automaticamente.
E tenho nojo absurdo da dependência, a mesma palavra já me deixa irritada.
E nesse passo de ter que enfrentar essas coisas mundanas
Senti vontade de sumir deste planeta cheio de gente
Que só sabem vê seu próprio umbigo e falar o que não sabem.
Ninguém tem consciência do que sabe, ninguém.
Já cheguei a gritar em minha mente que queria embora daqui.
É bem verdade que meu lado sombrio está mais na ativa
E minha língua já colecionou pessoas que a odeiam
A sinceridade dela faz as pessoas se afastarem, isso é bom pra mim.
E minha frieza é mais nítida do que um elefante caminhando nas ruas de Florianópolis.
As pessoas ao meu redor têm medo de ouvirem algo que seu ego ferido não goste
Daí, é mais fácil se afastar, e ela já faz esse trabalho sujo pra mim.
É bem verdade que já fui mais amorosa, mais querida e até ingênua
Meu Deus, como pude ser tão ingênua? Isso não é característica minha permanente!
E que a raiva de vez em quando me visita, não só, a insatisfação também.
Mas, por incrível que pareça as pessoas que me amam tão aqui
Tentando me dizer que to errada, claro que eu tô, eu tenho consciência da minha crueldade.
Tem pessoas em piores situações que eu, mas eu tenho direito de estar assim
Só eu posso me julgar, e os conselhos, é claro! Eu até aceito, desde que seja para me acrescentar.
Mas nesse momento essa sou eu, depois virão outros, como sempre.
Eles estão me aturando nesse momento difícil e chei de consternação.
E, é bem verdade que isso também passa, sou mutável mesmo.
Daqui a pouco, talvez num piscar de olhos.
Porque tem gente falando assim:
- Minha nossa, essa não é você!
Pois é.

Nenhum comentário:

Postar um comentário