domingo, 29 de dezembro de 2013

Cartas III




     As nuvens hoje estão brancas. Está chovendo, e há sol. Vejo o arco-íris. Ainda deve haver tesouros escondidos atrás dele, ninguém nunca achou. Lembro de muitas coisas boas que vivi fora daqui, lembranças essas que guardo com muito carinho. Mas não tão boas quanto pensar que estou aqui por uma causa que desconheço, porém aceito. Não quero pensar o que eu faria se estivesse fora daqui, estariam acontecendo mil coisas, se assim eu quisesse. Todavia, quero pensar que estou no lugar certo e nada seria mais adequado.
    Penso em você todos os dias, todas as horas e até segundos. Você preenche o vazio que mora em mim, aquele que era preenchido pelas pessoas ainda mais vazias que eu tinha comigo. E você é a única pessoa que eu acredito. Pois, quando acredito em você sinto mais vontade de acreditar em mim. É como se a sua essência fosse o meu espelho, o que reflete e me faz sinto o que estou agora. 
    Fui muito cético em minha vida. Desprezei sujeitos que tinham mais facilidade em mentir do que falar a verdade. Ouvir muitas mentiras e meu coração dava as respostas, tais respostas que nem sempre eu as ouvia. Sendo incrédulo delas, por justamente ter sido acostumado dessa forma. Automaticamente.
      Minha vida teve muitos jogos, e nesses jogos as pessoas queriam sempre o poder. Sempre estar em primeiro lugar. Nunca conheci alguém que fosse humilde de verdade. O orgulho prevalecia constantemente nas mentes deles. Nunca fui um exemplo de bom caráter. Confinado aqui, aceito tudo isso, num processo de sensibilidade aguçada. Observo o passado, e me notando como eu deveria ter agido se eu pudesse voltar. Mas como isso é impossível, tento fazer o máximo. Acredito que estou compreendendo mais as coisas comigo mesmo, porque antes, ao meu redor, com um aglomerado de pessoas negativas e pessimistas, me faziam ter esse bloqueio. Eu não queria mais continuar assim.
     Tudo o que eu tenho está aqui dentro do meu coração. Sei que é somente isso que eu vou levar para toda a vida. Aprendi a gostar das coisas simples, elas me deixam ser eu mesmo. Também aprendi a entender que é preciso sofrer para chegar a um ponto básico da alegria e que a felicidade não existe aqui. Seria impossível, pois as pessoas são dotadas de orgulho e egoísmo e, muitos estão presos às coisas e pessoas. Isso eu aprendi com você, e moldurei com minha visão singular, mas que ainda ficou muito parecida as suas ideias.
     Há uma verdade em meu coração, uma simples verdade que eu queria que soubesse. Nada seria possível se não fosse tuas palavras. Eu estava na escuridão, num deserto de ilusão e você com sua luz adentrou o meu recinto, me chamou com um jeito que era impossível negar e me pegou pelas mãos da caridade e me doou um amor que está me beneficiando até agora. É como se você recarregasse as minhas energias, e sem você eu não conseguiria ir em frente. Sei que tenho que caminhar com minhas próprias pernas e pensar por mim, mas a sua essência é tudo o que eu preciso.
     É assim que eu me sinto:
    
Nunca mais as nuvens serão tão brancas.
Nunca mais eu sentirei o mesmo sabor
Nunca mais deixarei de ler e escrever
Nunca mais a inocência vai voltar
Assim como a juventude física um dia acaba.
Nunca mais o cheiro da rua será o mesmo.
Pois a configuração dos meus sentidos mudaram.
Nunca mais darei o primeiro beijo.
E nunca mais serei incrédulo
Porque acreditar me faz evoluir.
Mais verei nuvens cinzentas
E agregarei cores na minha jornada
Que eu aceitei e devo continuar essa caminhada.


E.C.V


Nenhum comentário:

Postar um comentário